Lições de marketing com os candidatos a presidente

13/8/2018

 

 

Época de eleições… Quando as discussões nas redes sociais se tornam praticamente uma guerra ideológica, os comerciais políticos invadem a televisão e as ruas se escondem atrás de cavaletes e banners impressos de candidatos. Para todos nós, um momento de tensão e preocupação a respeito do futuro do país e para empresários e especialistas em marketing, a oportunidade de observar as estratégias adotadas por cada campanha eleitoral.

 

O marketing eleitoral existe há centenas de anos, porém a cada disputa se renova com as estratégias mais recentes que conhecemos. Em 2018, os candidatos estão fazendo grandes esforços de veiculação de suas imagens no ambiente digital, utilizando estratégias de crowdfunding e buscando construir uma base sólida de eleitores através do conteúdo online. Com quais estratégias podemos aprender e tirar lições para nossas empresas?

 

1. O seu conteúdo deve ser relevante e engajável

 

Hoje em dia, muitas pessoas estão cansadas dos conteúdos propostos pelos políticos. Tal fato se deve a baixa relevância que os discursos e propagandas tem para o público-alvo dos eleitores. Muitas pessoas já não se interessam mais pelos longos argumentos e enormes quantidades de informações propostas pelos candidatos.

 

Os resultados no ambiente digital mostram que os políticos que resolveram se atualizar e adaptar o seu conteúdo a realidade do público são os que obtém maior popularidade. Entre os 3 candidatos mais bem colocados nas pesquisas, Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (REDE) e Jair Bolsonaro (PSL), são também os 3 candidatos mais populares nas redes sociais Facebook e Instagram.

 

Além disso, os três estão realizando uma estratégia de financiamento coletivo (Crowdfunding) entre os seus eleitores. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou cerca de 20 campanhas do tipo para as eleições de 2018. Milhares de pessoas que estão dispostas a investir em uma ideia podem realizar seu objetivo através do ambiente digital.

 

2. Utilize o poder de convencimento do Storytelling

 

As campanhas políticas são grandes tentativas de convencimento. Sempre buscam te convencer que o candidato X é bondoso, que o povo terá acesso a ele, alguém “como nós”, que já superou dificuldades, etc. Seus objetivos principais são criar identificação com os eleitores e construir um personagem que possa proporcionar as soluções que o país precisa.

 

Construir histórias relevantes e de identificação é a base do Storytelling, estratégia utilizada por diversos especialistas em Marketing e pelas campanhas eleitorais. É importante para qualquer empresa criar narrativas que mostrem que o seu produto ou serviço é a solução para as dores e dificuldades do seu cliente.

 

3. Segmente o seu público e alimente-o

 

No ambiente da política, o posicionamento de um candidato é muito importante. Tal fato acontece pelos presidenciáveis entenderem que não é possível atender às ideologias de toda a população. Por conta disso, a democracia representativa funciona como um tabuleiro estratégico, onde os candidatos buscam o espaço que acreditam angariar mais votos dentro de suas ideologias.

 

Em cada debate, conteúdo digital, propaganda política, os políticos vão buscar atingir o público que melhor atende a sua estratégia de posicionamento. O candidato Geraldo Alckmin, por exemplo, busca se posicionar como uma solução ideológica de Direita, porém não tão radical quanto o candidato Jair Bolsonaro. Alckmin busca um posicionamento mais central para atender a determinado tipo de público que Bolsonaro não atende.

 

De acordo com o avanço da campanha, pesquisas são realizadas e os marketeiros buscam ajustar o posicionamento dos candidatos projetando-os para alcançar a maior quantidade de votos possível. E você, já escolheu em qual público-alvo você está?

 

Please reload

Posts Em Destaque

Os mitos do Marketing Digital: será que dá certo?

April 10, 2018

1/4
Please reload

Posts Recentes